Alunos aprendem sobre crítica cultural, música na propaganda e direção de arte na 9º Semana da Comunicação

FIAM-FAAM apresenta temas que destacam o trabalho audiovisual, publicidade e cobertura jornalística

 Por Henrique Kovalek [1]

Edilaine Felix [2]

A direção de arte envolve tudo aquilo que é estético dentro de um projeto, desenvolve a identidade visual, conta Juily Manghirmalani, produtora que atualmente faz parte da equipe artística sitcom infantil Bugados, que falou sobre os processos e os conceitos dentro de um projeto audiovisual no workshop “Direção de arte no audiovisual”, a convite do professor Sancler Ebert.

Segundo ela, a direção de arte dá conceito visual e colabora na coerência ao longo do trabalho. “Se alguma coisa sai do contexto, corre o risco de quebrar o conceito.” Juily também fala da equipe necessária para criar um projeto audiovisual e destacou sua importância da cenografia, produção de arte, produção de objetos, figurinista, maquiador, entre outros para dar vida a um projeto.

LAIS_IMG_2202
Juily Manghirmalani, da equipe artística do sitcom infantil Bugados (crédito: Lais Fiocchi)

Música e Publicidade

A professora Marlene Arvoredo apresentou o workshop “Música & Publicidade: os gêneros musicais nos anúncios publicitários através dos tempos” e propôs uma análise da utilização de obras musicais inseridas em anúncios publicitários e a sua abordagem.

Rock, pop, funk e samba foram alguns exemplos de gêneros musicais que tem suas músicas adaptadas para comerciais de televisão, seja em formato de paródia ou declamadas. Como o anúncio com a cantora Karol Conka que mudava a letra da música “Farofei” para divulgar um plano de assinatura de TV, ou um anúncio de carros que trazia a voz do cantor Frejat declamando uma música Águas de Março de Tom Jobim.

LAIS_IMG_2234
Marlene Arvoredo fala sobre a música na publicidade (crédito: Lais Fiocchi)

“Às vezes algumas campanhas são tão bem feitas que sobrepõem o original”, reflete a professora que entende que a música pode divulgar uma propaganda, como também o artista sai em vantagem tendo o seu nome em evidência.

Crítica de mídia

Miguel Arcanjo Prado é colunista de entretenimento do Uol e na oficina “Cobertura e crítica artística na grande mídia” conversou com alunos sobre o ambiente do jornalismo cultural. De acordo com o jornalista, para a indústria cultural ser valorizada ela precisa de formadores de opinião.

LAIS_IMG_2171
Miguel Arcanjo, colunista do UOl (crédito: Lais Fiocchi)

“Os críticos especializados que classificavam as obras da grande mídia faziam a curadoria de informações e também influenciavam a própria indústria”, diz o colunista que aponta que o jornalismo cultural sempre foi um lugar para debater ideias e também dar voz aos artistas. “Não existe arte sem comunicação”, pontuou.

 

A 9ª Semana de Comunicação ocorre até o dia 25/10, nos campi Ana Rosa, Liberdade e Morumbi, nos períodos da manhã e da noite. Confira a programação completa no 9ª Semana da Comunicação.

 

[1] Aluno do segundo semestre do curso de Jornalismo. Monitor da Agência Integrada de Comunicação (AICom).

[2] Professora do curso de Jornalismo. Atua na Agência Integrada de Comunicação (AICom).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s