Tadeu Patolla e sua relação com o sucesso da banda Charlie Brown Jr.

Em visita ao seu estúdio, em São Paulo, Patolla relembra momentos especiais ao lado de Chorão e companhia

Texto e fotos: Felipe Francisco [1]

Carla Tôzo [2]

 

Em tempos de Rock in Rio a nostalgia sempre costuma rolar solta em shows de outras épocas, pois desde 1985, esse festival traz noites memoráveis e, em muitos casos, muitos desses espetáculos simplesmente nunca mais vão se repetir, como o de Charlie Brown Jr no RiR Lisboa 2004, o primeiro e único show da banda no festival.

Chorão, que revolucionou e trouxe um estilo e movimento santista, ou meio California para o rock nacional, nunca escondeu o desejo de tocar no Rock in Rio em seu país, não houve tempo para esse acontecimento. Mas como já apontado, o papo é nostálgico e fomos conversar com um dos melhores amigos da banda, ou como mesmo dizia Chorão, “nosso amigo, produtor e tudo mais, Tadeu Patolla”.

tatola2

Sempre cheio de emoção, ao lembrar desses momentos, e sem perder a esperança com o estilo que busca renovação, e novos movimentos como de outras épocas, Patolla que foi o primeiro produtor da banda, nos recebeu em seu estúdio, em São Paulo.

AICom: Visita ao seu estúdio, no qual muita gente boa já passou, e muita gente boa ainda vai passar, certo?

Tadeu Patolla: Vai, vai… Agora estamos em uma fase de fazer muitos artistas novos, novos mesmos, inéditos. O que queremos é levantar a cena do rock, pop, reggae… Estamos sempre aí para fazer o melhor possível quanto a produção, para a galera colocar nas plataformas digitais, mostrar para a mídia, que é o que manda no momento. A triagem que faço é bem criteriosa, recebo muitos trabalhos diariamente, escuto tudo. Os artistas hoje devem ser empreendedores, investir na própria carreira. São outros tempos, agora tem que dançar conforme a música, as gravadoras não dão mais o mesmo espaço, é acompanhar a evolução do streaming, sem ter de depender de outras pessoas.

AICom: Você foi o primeiro produtor do Charlie Brown Jr, em meio a tantos trabalhos na época, deu para perceber que eram diferentes? Como eles chegaram para você?

Tadeu Patolla: Os caras chegaram crus, mas logo vi que tinham muito potencial, de cara já vi que seria fácil trabalhar com eles, era falar e eles já entenderem, rapidamente conseguiram andar sozinhos, sendo preciso apenas filtrar, dar direção.

AICom: Por ser uma banda que revolucionou o rock nacional, em qual momento você sentiu que Charlie Brown Jr seria de fato diferente de tudo que já havia trabalhado? Algo para entrar para a história…

Tadeu Patolla: O Champignon namorava minha cunhada, então frequentava minha casa, ele tinha uns 16  anos, um dia ele trouxe uma fita K7 do CBjr, a gente trocava uma ideia, falava que tinha uma banda, quando ouvi, logo falei “caralho, que legal”, era um inglês raivoso, meio suicide, os caras tocavam amarrados, grudados, mas de uma maneira solta, era até engraçado. Falei para trazê-los no estúdio, quis conhecer. O Chorão não sabia o que cantar, meu conselho foi cantar sua vida, “o pai da mina não deixa você ver a mina, aquela fogueira lá…”, daí para frente surgiram vários sucessos, era a vida do cara mesmo, era demais, não tinha como dar errado. De repente estava no rádio, todos ouvindo, um mês depois já muitos shows surgindo, uma legião de fãs, só tinha visto isso com o RPM, mas ali surgiu um movimento muito louco.

tatola3

AICom: No CBjr, você não ficou somente na produção, participou também da gravação e turnê do Acustico MTV, como foi estar também desse lado com a banda?

Tadeu Patolla: Foi legal, fizemos turnê mundial, Japão, Inglaterra, foi intenso, confortável, os caras me conheciam, nos davam de tudo. O CBjr podia ter sido de fato a banda exportação, cantando em português, e fazendo shows lá fora sempre, até porque muitos lá conhecem e respeitam o Charlie Brown.

AICom: Conta também alguma história com eles, até porque deve ter muitas, você sozinho aqui no estúdio, deve lembrar, rir sozinho…

Tadeu Patolla: O Chorão era bem louco, estávamos no Rock in Rio, ele cantando, no meio do show resolveu jogar um skate na plateia, pegou numa criança de 10 anos, parou o show, o moleque saiu de maca… Após o show vem o moleque com o pai no camarim, junto de dois policiais, passaram por mim, foram direto no Chorão, falei “pronto, vai ser preso”, mas na hora a criança sacou um CD, pediu um autografo e ainda brincou “pô, tens uma pontaria”. Chorão era um vida louca 5 estrelas.

[1] Aluno do oitavo semestre do curso de Jornalismo. Estagiário da Agência Integrada de Comunicação (AICom).

[2] Professora do curso de Jornalismo. Atua na Agência Integrada de Comunicação (AICom).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s