Meio ambiente é discutido em evento de advocacy

Mesa debateu a importância de projetos sociais para dar visibilidade para quem precisa

Clara Briggs [1]

Carla Tôzo [2]

 

A mesa “Mobilização para o Advocacy: como mobilizar a sociedade para potencializar o trabalho de Advocacy?” formada por Ieda Leal (Movimento Negro Unificado), Maria Teresa Corujo (Movimento pela Preservação a Serra do Gandarela), Paula Collet (Greenpeace), Tchenna Maso (Movimento dos Atingidos e Atingidas por Barragens) e mediada por Raull Santiago (Coletivo Papo Reto), ressaltou o dever dos projetos sociais para dar visibilidade para quem precisa.

As palestrantes Maria, Paula e Tchenna possuem o mesmo foco em seus trabalhos: o meio ambiente. As discussões de temas atuais como o fogo na Amazônia, o desmatamento e as barragens de Minas Gerais serviram de gancho para a reflexão de que todos possuem um dever com a natureza. Visando um mundo melhor, Paula refletiu durante sua fala: “eu penso em como vai ficar o mundo se a gente vencer. Isso me faz pensar qual é a diferença que a gente (ativistas) está fazendo, e ter essa perspectiva de horizonte”.

 

Santiago e Ieda, o primeiro e a última a se apresentarem, levaram à palestra o assunto da discriminação. Santiago é integrante do Papo Reto, jornal do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, que tem como principal objetivo mostrar o outro lado das comunidades. “O nosso jornal tem como ferramenta central a comunicação, para disputar uma outra narrativa sobre o que é a favela, a presença da favela e a sua importância na sociedade” explica Raull.

“O Advocacy que a gente faz é mostrar para a sociedade outras perspectivas sobre a favela, tentando expor as positividades que acontecem e como a ausência de algumas políticas públicas mantém essa estrutura de desigualdade”, ressalta. Já Ieda apresentou as dificuldades de ser uma mulher negra na sociedade e defendeu a luta pelo fim do racismo. “A gente vive, todos os dias, fazendo uma ação em defesa das nossas vidas, porque a gente tem o tempo todo uma sociedade que diz que a minha vida não vale nada.”

Durante os 60 minutos de discussão e declarações, os palestrantes salientaram que o Advocacy possui enorme importância na busca por uma sociedade e mundo mais igualitário.

 

[1] Aluna do quarto semestre do curso de Jornalismo. Estagiária da Agência Integrada de Comunicação (AICom).

[2] Professora do curso de Jornalismo. Atua na Agência Integrada de Comunicação (AICom).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s