Uma visita pela memória da Biblioteca Mário de Andrade

Como parte da jornada do patrimônio histórico, que aconteceu nos dias 09 e 10, conhecemos um pouco desse marco de São Paulo

 Por Gabriela Barbosa e Verônica Andrade

Edilaine Felix

 

Fundada como Biblioteca Municipal de São Paulo, em 1945, o local, um dos marcos da capital paulista, passou por alguns endereços e incorporou outras bibliotecas até ter o endereço na Rua da Consolação, que é sua sede atual. Foi um projeto do então prefeito Prestes Maia e projetada pelo arquiteto francês Jacques Pillow que garantiu que a obra fosse um marco arquitetônico.

Como parte da Jornada do Patrimônio Histórico 2019, que aconteceu nos dias 17 e 18 de agosto, fizemos um passeio pelo prédio que abriga a maior biblioteca do estado e que carrega uma herança da cidade. A visita contou com 13 participantes e foi guiada por Aline Barbosa Petelin, que é formada em Biblioteconomia.

Acervo restrito ao público credito Verônica Andrade e Gabriela Barbosa
Acervo restrito ao público (credito Verônica Andrade e Gabriela Barbosa)

A  tradutora​  no jornal Valor Econômico, Rachel Warszawski, uma das participantes do passeio, contou-nos que visitava a biblioteca quando era jovem, antes da ditadura militar e que é muito prazeroso voltar ao local.

A biblioteca

Hoje a biblioteca Mario de Andrade abriga sessões fixas como a de Artes, Coleções Gerais, Mapoteca e Raros e Especiais, que não circulam, mas estão acessíveis ao público com agendamento prévio. Possui também auditório, que tem uma programação especial durante a semana, como a apresentação do Coral, exibição de filmes e rodas de conversas.

Na varanda há um espaço para apresentações musicais. A seção circulante, que é onde acontecem os empréstimos dos livros e as áreas para estudo, está na biblioteca desde 1944.

Vista da varanda, onde acontecem shows e saraus credit Verônica Andrade e Gabriela Barbosa
Vista da varanda,local para shows e saraus (crédito Verônica Andrade e Gabriela Barbosa)

As últimas reformas na estrutura, segundo Aline Petelin, garantiram também toda a acessibilidade do local, como rampas, elevadores, livros com tradutoras e o mais recente item, os óculos Scan que lê os livros para quem tem deficiência visual.

Jornada do patrimônio.

Criado pela Secretaria de Cultura do município de São Paulo, a edição deste ano contou com 500 atrações, desde as tradicionais visitas guiadas e peças teatrais até os roteiros mais ousados de bike tours e skate tours.

Para a guia Aline Petelin, essa experiência contribui para que as pessoas sintam o pertencimento desses espaços e com isso cuidem, visitem e angariem medidas públicas para esses espaços.

Saiba como utilizar a biblioteca

Para obter a carteirinha da biblioteca e usufruir de todo o acervo você deve ir até o local – Rua da Consolação, 94, Centro – levando um documento com foto e comprovante de residência. Vale lembrar que a carteirinha garante acesso a todas as bibliotecas que integram a rede municipal.

[1] Alunas do quinto semestre do curso de Jornalismo. Colaboradoras da Agência Integrada de Comunicação (AICom).

[2] Professora do curso de Jornalismo. Atua na Agência Integrada de Comunicação (AICom).

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s