Começam as Jornadas de Políticas Institucionais de Direitos Humanos, Inclusão e Diversidade

 

As “Jornadas de Políticas Institucionais de Direitos Humanos, Inclusão e Diversidade” tiveram início nesta segunda-feira (21/01), às 19h, no Campus Santo Amaro, com uma mesa sobre Direitos Humanos que contou com a presença de Maria Beatriz Nogueira, chefe do escritório do Alto Comissariado da ONU (ACNUR) em São Paulo; Stella Schrijnemaekers, professora e coordenadora do curso de Relações Internacionais da FMU; e Maria Lúcia da Silva, professora e coordenadora do Núcleo de Estudos Étnico-Raciais (NERA). A mediação foi feita pelo professor Dr. Vicente Darde, gerente das Escolas de Comunicação, Artes, Design, Educação e Moda.

Antes de dar início aos debates, o professor Manuel Furriela, reitor do Centro Universitário FMU FIAMFAAM, fez a abertura oficial do evento, explicando brevemente o que são as Políticas Institucionais, os temas que abrangem e a importância de se promover este tipo de debate com a comunidade acadêmica.

Durante a mesa, Maria Beatriz Nogueira falou sobre a importância das políticas de recepção das pessoas em refúgio. Para ela, o sistema internacional de refúgio tem que pensar na contribuição que cada país pode oferecer, garantir acesso e diversificar a opção de acolhidas das pessoas, seja com vistos de trabalho ou de estudante, e o reconhecimento de situações que levam as pessoas ao refúgio.  “Quando chega uma criança refugiada, por exemplo, para uma escola pública, são muitos os desafios que se colocam, como a validação das séries ou disciplinas já estudadas – o que pode se tornar ainda mais difícil pela barreira da língua”, afirma.

Para Maria Beatriz, a lei de refúgio no Brasil é bastante abrangente. Os princípios básicos da estão bem elaborados, mas é importante que haja constantes reafirmações.

A professora Doutora Maria Lúcia da Silva trouxe a perspectiva do processo étnico-racial em meio aos Direitos Humanos. Ela falou sobre a importância dos trabalhos exercidos pelo NERA na Instituição e sobre as parcerias com todas as escolas do FMU FIAMFAAM.

A professora Doutora Stella Schrijnemaekers levantou a reflexão sobre o que é ser humano a partir de uma perspectiva antropológica e dos direitos humanos. “Não existem seres humanos que não sejam modificados pela cultura”, com essa frase do antropólogo Clifford Geertz, a professora evocou a importância das particularidades dos seres, o que faz com que não haja uma única natureza humana e imutável.

Para ela, a capacidade de sermos diversos é o que nos faz humanos. A professora parafraseou Geertz ao afirmar: “Ver o céu num grão de areia não é um ardil privativo dos poetas”.

As Jornadas de Políticas Institucionais continuam até o dia 01/02 com mesas de debate, rodas de conversa, apresentação de trabalhos, entre outras atividades. Confira a programação completa e faça sua inscrição em: fmu.la/jornadas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s