Abertura da SBPJor tem palestra de John Bak da Université de Lorraine, França

A noite contou também com  homenagens aos professores José Marques de Melo e Luciana Mielniczuk

Texto e fotos Luiz Alberto Rheda Neto [1]

Carla Tôzo [2]

O Centro Universitário FIAM-FAAM, em parceira com Universidade Anhembi Morumbi, sediou o 16° Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo. A cerimônia de abertura, que contou com a apresentação da Orquestra FMU, foi realizada no Auditório da Universidade Anhembi Morumbi do campus Vila Olímpia, no último dia 7.

O encontro, organizado pela Sociedade Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo desde de 2003, pela primeira vez é promovido por duas universidades. Em 2018 foram 475 inscrições, um recorde de participação.

20181107_185626

Vicente Darde, coordenador do curso de Jornalismo do FIAM-FAAM e orador da cerimônia de abertura, sente-se honrado pela oportunidade e afirma que isso contribuirá para iniciativas na área de pesquisa desenvolvidas na instituição. “A pesquisa no Brasil vem recebendo vários golpes. Cada vez mais os recursos são escassos. Como a pesquisa precisa ser estimulada dentro da Universidade, o FIAM- FAAM, assim como a FMU, tem investido muito em pesquisa, porque nós queremos que os alunos, desde a graduação, possam ter gosto por isso e também para que esse trabalho ganhe visibilidade na sociedade”, explica.

 

O encontro, que é o principal fórum para de debates das pesquisas sobre Jornalismo desenvolvidas nas universidades brasileiras, contou com a participação de especialistas brasileiros e estrangeiros. Monica Martinez, presidente da SBPJor, Luciane Bonaldo, diretora da Universidade Anhembi Morumbi,  Edson Delmonte, coordenado da área de comunicação e informação da CAPES e o professor John Back, da Universidade de Lorraine, compuseram a mesa dessa quarta-feira.

 

Esse ano foram prestadas homenagens a dois grandes comunicadores do país. O professor José Marques de Melo, primeiro doutor em Jornalismo formado em uma universidade brasileira, e Luciana Mielniczuk – conhecida como Luti -, pioneira na pesquisa em ciberjornalismo no Brasil.

 

O encerramento aconteceu com a entrega do Prêmio Adelmo Genro Filho de Pesquisa em Jornalismo, que ocorre desde 2004, e que é uma forma de reconhecer a qualidade do trabalho acadêmico desenvolvido nas universidades e centros de pesquisa do país.

 

Beatriz Corrêa Pires Dornelles, professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), recebeu o prêmio na categoria sênior com a pesquisa da prática jornalísticas em diários do interior. Ao discursar, com a voz embargada, relembrou os desafios enfrentados recentemente até chegar ali.

 

Durante tratamento de uma doença grave foi demitida. Após decisão judicial, foi recontratada e, aos poucos, se recuperou. “Quando voltei ao trabalho, ninguém me felicitou por ter ganhado o prêmio. Aqui, todos me cumprimentaram. Hoje eu pude ver que realmente sou importante e estou mais motivada a continuar com o trabalho que desenvolvo há anos”, disse.

Além de Beatriz, foram premiados Gabriele Wagner de Souza, na categoria Iniciação Científica, José Cavalcanti Sobrinho Neto, na categoria mestrado e Adriana Barsotti Vieira, na categoria doutorado.

[1] Aluno do quinto semestre de Jornalismo e estagiário da Agência Integrada de Comunicação (AICom).

[2] Professora do curso de Jornalismo. Atua na Agência Integrada de Comunicação (AICom).

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s