Exposição do diretor Alfred Hitchcock chega ao MIS

Objetos pessoais presentes no estúdio de gravação fazem parte do acervo

Por Bianca Matz [1]

Edilaine Felix [2]

O Museu da Imagem e do Som (MIS), localizado no Jardim Europa, em São Paulo, traz ao público Hitchcock – Bastidores do Suspense. A exposição vai até o dia 21 de outubro de 2018, com entrada gratuita às terças-feiras. Os grandes clássicos e outros filmes do diretor, com informações e telas de projeção, transmitindo trechos chave das obras, podem ser vistos através de um labirinto.

O diretor e produtor britânico Alfred Hitchcock foi o pai do gênero suspense no cinema e dirigiu 53 longas-metragens durante toda a vida. O modo como ele dirigiu suas obras foi revolucionário, despertando a sensação de medo e ansiedade.

Antes de adentrarmos na exposição, somos advertidos por um alerta na parede “entre por sua conta e risco”. Após dois lances de escada, há uma breve biografia de Hitchcock em uma estrutura de madeira, junto com sua cinegrafia completa, com todos os curtas, projetos e filmes realizados pelo diretor.

A exposição foi dividida por gigantescas caixas de madeira e cada sala é sobre um filme diferentes, separadas por corredores. Em cada uma delas há sinopse, informações sobre a produção e curiosidades acerca do filme com ênfase para alguma cena chave da obra. Após uma cortina de veludo preto, a sala retoma a parte em destaque, dando a sensação de imersão.

Em uma das salas, temos a mesma visão que o protagonista durante o filme Janela Indiscreta (Rear Window), de 1954. A sensação é de que estamos na varanda do seu apartamento. As janelas são pequenos televisores, reproduzindo a ação dos vizinhos, dando vida à fotografia. O filme Janela Indiscreta, um dos maiores clássicos, conta a história de L.B. Jefferies (James Stewart), um fotógrafo que quebrou a perna e que, enquanto está em repouso em seu apartamento, usando um binóculo para bisbilhotar a vida dos vizinhos, desconfia que ocorreu um assassinato.

Janela Indiscreta I
Janela Indiscreta (crédito: Bianca Matz)

Num outro espaço encontramos relógios antigos, de inúmeros tipos e estilos, presos dentro de gaiolas, essa obra representa O Marido Era o Culpado (Sabotage), de 1936, que conta a história de um detetive da Scotland Yard (John Loder), que investiga um homem que pretende explodir uma bomba em Londres e ele, por sua vez, precisa impedir o atentado.

Backstage

Entre as salas, há corredores com quadros e pôsteres em diversos idiomas dos filmes comercializados do diretor. Há objetos pessoais que estiveram presentes em seu estúdio, como sua cadeira e seu megafone, em meio aos equipamentos de luz e caixotes de madeira, dando a impressão de backstage.

Objetos Pessoais
Objetivo pessoais de Hitchcock (crédito: Bianca Matz)

Este filme é lembrado pela cena icônica, em que o copo envenenado apresenta uma luminosidade intensa, mostrando ao telespectador, sem a presença de diálogo, que algo ruim irá acontecer. Na sala, várias prateleiras com copos de leite estão presentes, mas apenas um é brilhante. O leite pode parecer uma bebida simples, inofensiva, mas não em Suspeita (Suspicion), de 1941. A obra retrata Johnnie Aysgarth (Cary Grant) que conhece uma mulher tímida e rica Lina McLaidlaw (Joan Fontaine) no trem, que acaba se casando, mesmo contra a vontade do pai dela. Porém, após um amigo morrer, ela teme que o marido a mate, por causa de sua fortuna.

Suspeita Copo de Leite
Suspeita Copo de Leite (crédito: Bianca Matz)

Em a Sombra de Uma Dúvida (Shadow of a Doubt) sentimos que estamos dentro do filme, indo comprar o jornal como a protagonista faz em uma das cenas destaque. Dentro da sala, há vários jornais pendurados para que o visitante pegue um exemplar como lembrancinha. Na edição, há curiosidades do filme e do Alfred Hitchcock. A obra conta sobre Charlie (Teresa Wright) que recebe a visita do seu tio, chamado Charlie (Joseph Cotten) também. Ele começa a reagir de forma estranha e ela desconfia que seu parente é o assassino de mulheres, que está solto na cidade.

Vestimentas I
Vestimentas (crédito: Bianca Matz)

Na parte superior do museu, há um espaço com as principais vestimentas das personagens de Alfred Hitchcock. Além das roupas, há os croquis e rascunho de um projeto têxtil, expostos em quadros.

Psicose

O  filme mais famoso de Hitchcock, Psicose (Psycho), de 1960, não poderia ficar de fora da exposição. Experiência Bates Mote faz uma ligação entre Psicose e o seriado Bates Motel transmitido pelo canal de TV por assinatura norte-americano A&E, com características de spin-off, conteúdo que conta detalhes a mais ao público sobre algum filme/série.

Na saída da exposição, há uma pequena sala acompanhada de um sofá e poltronas. Na parede acontece a transmissão, por meio de um projetor, de boa parte das aberturas da série que o diretor dirigiu para a televisão, no canal CBS Corporation. Alfred Hitchcock Apresenta (Alfred Hitchcock Presents), de 1955 a 1965; no início de cada episódio, Hitchcock é o apresentador, mostrando cenas cômicas com pitadas hitchcockianas, antes de começar o conto de suspense/terror da noite.

 

 

[1] Aluna do quarto semestre de Jornalismo e estagiária da Agência Integrada de Comunicação (AICom)

[2] Professora do curso de Jornalismo. Atua na Agência Integrada de Comunicação (AICom).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s