RESENHA: Cidadão Kane: Retratos da realidade

Orson Wells tinha pouco mais de 20 anos quando decidiu produzir um filme fora dos padrões do cinema americano dos anos 1940

Por Ana Luiza Antunes [1]

Edilaine Felix [2]

O filme Citizen Kane (título original), dirigido por Orson Wells, foi lançado em 1941 sendo considerado um dos melhores filmes da história do cinema, principalmente para o jornalismo. Wells tinha pouco mais de 20 anos quando decidiu produzir um filme fora dos padrões do cinema americano dos anos 1940, com novas técnicas e uma narrativa diferente.

Para entender a grande novidade que foi a obra Cidadão Kane, cabe ressaltarmos o contexto histórico em que estava inserida. Era época de guerra quando Wells ficou conhecido após transmitir uma falsa notícia, pela rádio CBS, que havia alienígenas invadindo a Terra. Imagine como foi, para uma população que estava em constante estado de alerta, a reação instantânea de medo e fragilidade.

Após esse acontecimento, foi convidado pelos estúdios RKO a produzir um filme que contasse a história do magnata e dono de uma rede de jornais, William Randolph Hearst. Wells tinha como condição a liberdade total de criação, e foi daí que renovou a história do cinema. Criou uma narrativa não linear, que despertava uma sensação diferente nos telespectadores que até então não conheciam esse novo estilo cronológico de uma ficção.

O filme Cidadão Kane tinha como protagonista o galã Charles Foster Kane – interpretado justamente por Orson Wells, já que mais do que ninguém, saberia interpretar a realidade de sua criação -, um magnata do ramo da comunicação que ganhou reconhecimento lustrando o ego dos Estados Unidos – e que supostamente seria o poderoso Hearst.

Retratava fielmente a sua trajetória não só profissional, mas pessoal também. No entanto, era um galã diferente: egocêntrico, sem caráter e escrúpulos, fazia do seu trabalho um ramo de notícias sensacionalistas e manipulações da opinião pública dos Estados Unidos. o Filme é fundamental para compreender a formação de um monopólio na comunicação e como os ideais de um jornal formam a essência de um país.

O filme tem início com Kane dizendo a palavra “Rosebud”, minutos antes de sua morte na mansão de Xanadu, onde morava. O longa retrata a busca de um jornalista investigativo pelo significado da palavra, entrevistando parentes, amigos e funcionários atrás de alguma pista, fazendo com que esse acontecimento seja o fio condutor para conhecermos a vida de Kane.

Foto publicada em 13 de fevereiro de 2014 _Copyright RKO Radio Pictures Inc
Foto publicada em 13 de fevereiro de 2014 |Copyright RKO Radio Pictures Inc.

O filme também foi muito comentado por reinventar a estética do cinema no campo da fotografia e montagem, inserindo características jornalísticas, ao começar pela narração em off no começo do filme que simula uma reportagem inédita, e pelos jornais que ilustram as cenas ao mostrar as manchetes e as criações de textos.

De maneira realista demais para os padrões da época, Wells critica, de forma inteligente, o capitalismo de um país que apostou todas suas fichas no conservadorismo de seus interesses. Apesar da narrativa focar na vida e trajetória de Kane, também é possível perceber o que acontece por debaixo dos panos no mundo jornalístico. Desde interesses políticos às notícias típicas da yellow press (imprensa marrom aqui no Brasil).

Essencial para que reflitamos sobre o porquê da necessidade que se tem de fazer do jornalismo um jogo de opiniões e manipulação. Para qualquer jornalista que deseja saber os caminhos pelo qual a profissão já percorreu e quem sabe, fazer um paralelo sobre o atual papel da mídia e a necessidade de liberdade de expressão.

Existem filmes que são atemporais e esse com certeza ainda pode retratar muitas realidades do muito contemporâneo. Será que ainda temos magnatas que desejam desviar a função do jornalismo?

 

1] Aluna do quarto semestre de Jornalismo e monitora da Agência Integrada de Comunicação (AICom)

[2] Professora do curso de Jornalismo. Atua na Agência Integrada de Comunicação (AICom).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s