#Cultura: O ciclo da arte em movimento

Exposição Bill Viola Visões do Tempo chega a São Paulo e retrata a realidade diária de forma repetitiva

Por Bianca Matz [1]

Edilaine Felix [2]

A nova unidade do centro cultural Sesc inaugurada no mês de abril deste ano, localizada na Avenida Paulista, 119, traz uma exposição inédita de um videoartista norte-americano, Bill Viola. As obras contemporâneas ficarão disponíveis para visualização até o dia 09 de setembro de 2018.

Bill Viola atuou em diferentes áreas dentro do campo das artes. Ele é músico, compositor, diretor de fotografia, diretor de cinema e roteirista. Formado em Nova Iorque, teve uma carreira ativa e foi influenciado a criar as suas performances em vídeo com artistas da vanguarda, como Joseph Beuys, Wolf Vostell e Nam June Paik.

Além de ser vencedor de muitos prêmios, suas obras estão presentes em várias partes do mundo. Atualmente, no Museu de Arte Moderna de São Francisco, em São Francisco; o MAXXI, em Roma; o Museu de Belas-Artes de Houston, no Texas; e também, no Sesc Paulista, em São Paulo.

A exposição Bill Viola Visions of Time (Bill Viola Visões do Tempo) reúne criações feitas por Viola nas duas últimas décadas. Man Searching for Immortality/Woman Searching for Eternity (Homem Procurando por Imortalidade/Mulher Procurando por Eternidade), é uma obra de 2013, que faz a reflexão sobre a vida. A projeção de um casal de idosos nu aparece para o público em duas peças de granito, mesma pedra usada para a confecção de lápides. No começo da apresentação, ambos vêm andando até chegar próximo ao espectador, pega uma lanterna e inicia a procura de detalhes, marcas e rugas que o tempo foi responsável de deixar em seus corpos.

Man Immortality Woman Eternity_crédito Bianca Matz
Man Searching for Immortality/Woman Searching for Eternity (crédito:Bianca Matz)

Num momento angustiante, nos deparamos com algo relacionado à vida, dizendo que a velhice é um estado que não podemos impedir, chega para todos. Com o feixe de luz dando enfoque em uma parte do corpo de cada vez, passando lentamente, fica mais evidente a percepção do tempo.

As nove criações chamadas de Chapel of Frustated Actions and Futile Gestures (Capela de Ações Frustradas e Gestos Fúteis), de 2013, é uma instalação de nove telas de plasma, cada uma com um vídeo sem ligação com os demais. Em uma delas, Couple Slapping é um casal, composto de um homem e uma mulher, ambos permanecem em silêncio, se estapeiam, um de cada vez e depois acontece uma reconciliação com um abraço; também é possível apreciar Pouring Water há uma jarra quebrada e um copo d’água enche-o, vazando pela abertura; outra tela para contemplar é Two Men in Boat com dois homens em um barco dentro de um rio, sendo cheio por ambos com baldes d’água, dando a impressão que os dois são culpados, caso o barco afunde. A composição é destacada pelos sons que tomam a enorme sala da exposição. Retrata que a vida e os seus relacionamentos afetivos são feitos de ciclos, que muitas vezes aparentam não ter algum fim, muitos deles são erros que persistimos, mesmo aparentando não ter solução.

Chapel Action Gestures_crédito Bianca Matz
Chapel of Frustated Actions and Futile Gestures (crédito: Bianca Matz)

Inverted Birth (Nascimento Invertido), de 2014, é uma obra que dá impressão de limpeza, de renovação e renascimento de um ser, remete às essências da vida humana como: terra, sangue, leite, água e ar; do nascimento à morte, porém é invertido da escuridão à luz. É uma tela de enorme escala, que vai do chão ao teto. Na videoarte nos deparamos com um homem coberto por uma substância negra pingando, com o passar dos minutos, esse fluído é sugado pelo teto, revelando várias outras camadas de pigmentações diferentes, passando pelo vermelho, branco e chegando ao que se assemelha à água.

                                                                     Inverted Birth (crédito Bianca Matz)

Além desses destaques, existem outras instalações presentes no espaço, como Martyrs Series (Earth, Air, Fire, Water) (Série de Mártires – Terra, Ar, Fogo, Água), de 2014; The Innocents (Os Inocentes), de 2007; Three Women (Três Mulheres), de 2008; The Quintet of the Silent (O Quinteto do Silêncio), de 2000; Study for The Path (Estudo pelo Caminho), de 2002; e Four Hands (Quatro Mãos), de 2001.

Martyrs Series_credito Bianca Matz
Martyrs Series (Earth, Air, Fire, Water) (crédito Bianca Matz

Bill Viola teve o auxílio da diretora executiva Kira Perov, que trabalhou próxima a ele desde 1979, colaborando com todos os seus trabalhos, ela edita suas publicações e organiza as exibições.

Bowl Frutas, Martyrs Series (Earth, Air, Fire, Water) e

[1] Aluna do quarto semestre de Jornalismo e estagiária da Agência Integrada de Comunicação (AICom)

[2] Professora do curso de Jornalismo. Atua na Agência Integrada de Comunicação (AICom).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s