‘’É preciso fazer todo dia a mesma coisa de uma forma diferente’’

em

Patrícia Liberato e Rubens Palli conversam com os alunos sobre suas rotinas no rádio

Renan Ferreira [1]

Carla Tôzo [2]

 

Um papo descontraído sobre o rádio comercial marcou a manhã desta quarta feira na segunda semana de Rádio e TV, Produção Audiovisual e Produção Multimídia do FIAMFAAM Centro Universitário. No auditório Nelson Carneiro, os convidados Patrícia Liberato, locutora da BandFM e Rubens Palli, locutor da Transcontinental, falaram sobre o dia a dia da profissão com os alunos.

“O ambiente, a questão de produção é muito ágil. Eu acho uma coisa muito gratificante, muito mágica. Porque você toda hora tem que estar se desafiando a criar conteúdos interessantes, que deem resultados para quem tá ali, para que possam assimilar o seu trabalho”, enfatizou Patrícia, que recentemente deixou a Transcontinental – onde trabalhou por quase 25 anos – e assinou com a BandFM.

Para Palli, a produção de conteúdo diário é um desafio da profissional, que precisa trazer novidades aos ouvintes constantemente: “É preciso fazer todo dia a mesma coisa de uma forma diferente para atrair o público. Para que se reforce e conquiste a audiência, quando necessário. Há sempre algo acontecendo e influenciando o rádio, que sempre foi muito dinâmico e continua sendo.”

Mudanças no conteúdo radiofônico a partir da chegada de novas plataformas

A história do rádio brasileiro é marcada por vários momentos de mudanças e adaptações e com advento da internet houve quem profetizasse o seu fim. Mas encontrar formas de se aliar a novas plataformas de comunicação foi uma saída que deu certo na visão dos palestrantes.

“Tanto musicalmente como as rádios de conteúdo jornalístico, que prestam serviço e fazem entretenimento, elas estão num momento de transição e vão utilizar a internet como plataforma principalmente. Provavelmente a partir de 2020 os conteúdos de rádio serão feitos para a internet com retransmissão nas suas frequências, que se adapta facilmente a qualquer estilo”, afirma Rubens.

Ele destacou também a importância do rádio para o artista e afirmou que o veículo continua sendo um grande expoente de sucesso musicais: “ O artista pode estar na plataforma, pode estar no YouTube ou na TV, mas se ele não tocar na rádio, ele não acontece musicalmente.”

A presença da mulher no rádio 

Com uma experiência de mais de 30 anos de mercado, Patrícia Liberato, falou ainda sobre ser mulher num ambiente inicialmente dominado por homens: “ Pra gente que é mulher tem a questão dos hormônios, do humor, pois isso faz diferença quando a gente tá gerando conteúdo e levando informação. A questão do gênero é também uma dificuldade. Mas eu acho que você deve se impor e principalmente ser muito profissional.’’ E completou: ‘’Claro que a gente precisa fazer e provar muito mais do que qualquer homem, infelizmente.”

[1] Aluno do sexto semestre de Jornalismo e monitor da Agência Integrada de Comunicação (AICom)

[2] Professora do curso de Jornalismo. Atua na Agência Integrada de Comunicação (AICom).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s