Horas complementares: não deixe para o último semestre

 

Obrigatórias por lei, muitos alunos esquecem-se de cumprirem essa carga horária e acabam se complicando nos últimos semestres

Por Marcelo Coelho [1]

Edilaine Felix [2]

As horas complementares estão presentes em todas as universidades do país. Desde o primeiro semestre, os alunos são informados sobre essas atividades que precisam ser feitas para que possam concluir o curso de graduação. Como os estudantes têm muito tempo até se formarem, acabam deixando de lado essa obrigação e só recordam de fazer quando são cobrados. Mas qual a finalidade dessa carga horária? E por que os alunos deixam de lado essas atividades?

De acordo com a Resolução CNE/CES n° 2/2007, as horas complementares não podem ultrapassar 20% da carga horária total do curso, e fica à disposição da faculdade a escolha de quantas horas os alunos precisarão cumprir.

O site do MEC (Ministério da Educação), disponibiliza uma página para que o público tire suas dúvidas sobre o regime acadêmico brasileiro. Segundo o portal, essas atividades têm o intuito de melhorar o processo de aprendizagem do aluno com a faculdade e tendo essa experiência o discente assimilará muito mais. Essa flexibilidade da carga horária, com o total controle e dedicação do aluno, é outro incentivador para os educandos, conforme o Parecer do CNE/CES n°492/2001.

Como funciona?

Existem duas modalidades de atividades complementares que podem ser feitas pelos acadêmicos: as livres e as obrigatórias. As livres são atividades a serem feitas fora da faculdade, como palestras de pessoas e assuntos importantes da área do aluno, visitas a museus e memoriais, workshops e outras atividades que possam acrescentar ao aprendizado. Já as obrigatórias são atividades ministradas pela própria faculdade, como semanas de oficinas de um curso e palestras, por exemplo.

A coordenadora adjunta do curso de jornalismo, da FIAM-FAAM, Mayara Lobato, afirma que as horas complementares têm muito a acrescentar na vida do aluno: “As horas complementares visam ajudar o aluno a melhorar seu desempenho. Possibilita também que ele tenha um momento de lazer importante, onde ele pode aprender enquanto se diverte”, diz Mayara.

A maioria dos alunos que cursam a faculdade, não se importam com essa obrigação e vão deixando de lado até o último semestre, quando são cobrados de entregarem as horas para se formarem. O aluno Lucas Costa, que está no sétimo semestre do curso de Jornalismo, disse que não fez cumpriu essas atividades antes, pois teve que se dedicar mais ao trabalho. “Para quem precisa pagar a faculdade é um pouco mais complicado. Eu acabei não tendo muito tempo de correr atrás disso, fui deixando de lado. Quando eu tinha tempo no final de semana eu preferia descansar e até mesmo fazer os trabalhos da faculdade”, afirma Lucas.

Mesmo sabendo da importância de fazer essas atividades os alunos – em sua maioria -, não cumprem essas horas até o momento que elas se mostram imprescindíveis. Para evitar que os estudantes cheguem aos 45 minutos do segundo tempo precisando delas, é melhor se programar logo no início do curso e chegar na reta final apenas focando no projeto de TCC, assim terá um problema a menos.

 

[1] Aluno do sétimo semestre de Jornalismo e monitor da Agência Integrada de Comunicação (AICom).

[2] Professora do curso de Jornalismo. Atua na Agência Integrada de Comunicação (AICom).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s