Reportagens para TV: Profissão Repórter e Balanço Geral

foto2.JPG
Cláuda Aied, editora-chefe do Balanço Geral da Record e Eliane Scardovelli, repórter do Profissão Repórter da Globo. Fotos: André Silva de Almeida

Por Natalia de Souza e Mylena Ramos

“Temos de mostrar os fatos e não reproduzir as falas”, diz Eliane Scardovelli, da Rede Globo. Convidada para compor a mesa que teve como tema o telejornalismo, a jovem, que está no Profissão Repórter desde 2010, confessou que embora já tenha experiência em TV, cada reportagem é um universo diferente e mesmo gravando no mesmo lugar depois de algum tempo, as pessoas e suas histórias mudam.

Ela relembra a emoção de gravar um programa sobre a falta de UTI pediátrica em Cuiabá (MT) e também a reportagem sobre crianças transgêneras, de 2014, para o Profissão Repórter. “Antes de ser jornalista, somos seres humanos”, diz Eliane. Ela, que precisou viajar para os Estados Unidos para encontrar pessoas a serem entrevistas, acrescenta: “O jornalista tem de gastar muita sola de sapato para buscar a informação”.

Na Rede Record desde 1992, a editora-chefe do Balanço Geral, Claudia Aied, relata que o Balanço Geral é um programa popular que possui várias faces, com assuntos policiais, de comportamento e de entretenimento, com linguagem mais coloquial e equilíbrio para não perder o respeito com o entrevistado e o telespectador.

Cláudia destaca as mudanças no jornalismo da Record nesses 20 anos. “Hoje é um jornalismo muito mais profissional. As mudanças (no Balanço Geral) vão acontecendo conforme a demanda, no momento está bom, mas se precisar, vou realizar novas sem nenhum problema”, diz.

Para ela, quem faz jornalismo de verdade é quem apura e produz a pauta, os outros profissionais só lapidam a notícia. “A gente continua fazendo o nosso trabalho do mesmo jeito, se o Papa der um pronunciamento nós vamos falar disso, então não existe mistério, independentemente da linha religiosa da Record.”

Produção e sensacionalismo para TV

Sobre o processo de produção das matérias, Eliane conta que no Profissão Repórter ela e seus colegas participam de todos os processos, desde a escolha da pauta até a edição, “o que é maravilhoso, assim podemos deixar a matéria como queremos”, diz Eliane. Já no Balanço Geral, Claudia explica que eles não têm esse privilégio, pelo formato e tempo de processo que é menor.

Ao ser questionada se o Balanço Geral é um programa sensacionalista, como por exemplo, os links da jornalista Fabíola Reipert, Claudia diz: “Para mim não é sensacionalismo, é popular”. E completa dizendo que é a audiência que dá a temperatura para o que fazem.

Assista a reportagem clicando aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s